sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

LA LA LAND


Romântico até ao fim. Este é um filme que trata com delicadeza as nossas fantasias. Não nos deixa cair logo, prolonga aquela tristeza melancólica dos sonhos adiados e da realidade a impor-nos ou uma coisa ou outra. Mantém as nossas fantasias a pairar, abrindo sempre uma gavetinha de possível, sem nunca arriscar soluções mais duras ou radicais. Como se o sonho fosse coisa de classe média compatível com filhos rosados e maridos simpáticos. Mas não podemos exigir muito deste cinema que só quer mesmo alimentar sonhos. Mesmo quando descansamos os olhos na penumbra do corredor, depois de 90m de imagens a lutarem para tentar reconstruir a atmosfera um pouco naif dos filmes musicais, vimos a sorrir. Afinal é justo, não se pode ter tudo, alguma coisa tem que ficar para trás. (é comezinho mas apaziguador). Há duas cenas que deveriam ir para o lixo porque estão desajustadas mas a montagem é excelente, a passagem do onírico e fantasioso ao realista está muito bem feita. Há um corte abrupto mas também continuidade semântica, na medida certa  para nos provocar um sentimento nostálgico como Ha! Eu sabia que não duraria para sempre!!
Sou uma romântica que adora histórias de amor. Nas histórias de amor revela-se melhor a personalidade dos actores nas suas cambiantes expressivas, e eu adoro os actores, apesar do Grosling insistir um pouco no estilo blasé à Marlon Brando ( Nunca percebi o que os jovens actores viam no Marlon Brando...), enquanto ela está num registo muito mais histriónico. Por vezes parece um pouco aquele filme de banda desenhada com actores de carne e osso. Ela lembra um pouco a Debora Kerr, é muito expressiva (demais) e tem autenticidade, ele não é nada expressivo, está sempre tristonho, muito preocupado com o interior (o mesmo subtexto de representação que vimos em Marlon Brando e James Dean e que eu pessoalmente detesto - estilo: Estou-me nas tintas para vocês espectadores!!), mas também tem uma certa autenticidade, e assim se dá a sustentação realista - na autenticidade dos actores-. Gostei muito do filme, por causa destas pequenas fragilidades. É um filme tocante. 

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016


Elas vêm as palavras
preciso que as vejas vir
quieta e só
humilde e amarrotada
Deixa-as aproximarem-se
finge estar em Gibraltar
contemplando o mar
ou acariciando a madeixa de uma loura
andrógina
com  a qual passarias sem dúvida para trás
tantos sonhos de letras
moles.
Coloca o copo de vinho
estala os dedos
tu
verás
juntam-se adiante
de joelhos dobrados
e vendadas
nesse momento emerge , olhos de foca
poderás decantá-las
chupar a grainha
deitar ao lixo o engaço
mas não as queiras transparentes
deixa-as agrestes
vergar-te de cansaço
dá-lhes o teu coração de ostra e bebe-as
de olhos fechados.


domingo, 18 de dezembro de 2016

vertigem

A serena orquestração do mundo
não dança
rumina
solta-se num corredor de crianças amestradas
por olhos de garça mal disfarçados
Chupacabras
pormenores de uma desolação fria.
Sentimos infelizes os corpos por um cuspo qualquer
uma beata
uma hecatombe de estrangeirismos
(por entre os lábios)
qualquer circuito eléctrico ou mar
metáfora, ou coisa, vento ou prótese.
Já não sei
cai por todo o lado
um detonador de sentimento
Passageiros Chupacabras
afligidos pela quebra de energia
esculpindo sulcos com a caneta
para que o dia não se consuma mais
e aflore embrião perfeito
num outro amanhecer.
Ser capaz de sonhar
 diria Pessoa
dar tudo por uma sandes de mortadela
a barba de 4 dias
e a púbis na álea vazia do claustro antigo
digo
a púbis ritualizada.
Chupacabras entre dentes.
À febre, ao musgo
À refrigeração das latrinas da alma!
Ah! ser tão distante entre vírgulas
e tão dolorosamente próxima de tudo!





quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Filmes: O primeiro encontro



Foi com alguma suspeita que entrei no corte inglês, era uma sexta de pastilhas enjoativas pré-natalícias, eu também, agora e sempre faço parte da parte elástica da coisa, porque a única liberdade que o sistema me dá, justamente agora, apreciei, na base neurótica desta sociedade engendrada em grandes egos, a base que me dão, digamos o trampolim das acrobacias, é a alienação, para onde posso ir, para todos os lugares em que me disponho dá-me francamente a náusea da alienação, e foi com essa disposição esquisita que fui ver O primeiro encontro de um realizador canadiano chamado Denis Villeneuve. O filme tem pouco de "canadiano", é americano da cabeça aos pés e é, também, mas não só, uma sequela do lado pro americano propagandista e militarista apesar de dar a impressão de não ser, de apresentar a boa da américa pacifista e intelectual. A questão neurótica da coisa - eles somos nós e os nossos próprios fantasmas - aflora a medo, mas vislumbra-se naquela mistura que está para lavar e durar entre o frio objetivo e a quente subjetividade. Não é por acaso que a protagonista é mulher,  nela está condensada a dicotomia um pouco maniqueísta. As emoções claro, triunfarão sobre a parafernália militarista, sobre o convencional ergue-se o subjectivo, o emocional verdadeiro lar, tipo ralo de escoamento e atração centrípeta, para onde convergem todos os homens num pacto silencioso de humanidade. Lembra "Contacto" embora a Judie Foster alcance mais e melhor que a Amy Adams, é mais viril e portanto acentua de forma mais óbvia a questão de acabarmos por ser aquilo que queremos esconder. Ou melhor dito, que na invasão do extraterrestre está um pouco da invasão da verdade do que somos e padecemos e dói, e que no fim se revela por força de uma circunstância que exige que nos superemos e enfrentemos os medos. Do ponto de vista visual e atmosférico é bom. É tudo.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Até onde o restolho
a segurança de um prelúdio bem idolatrado
gordo, endomingado
Até onde pudesses pensar e continuar
remexendo na balaustrada as contas
linda chama
Por quem Leonor?
Pela ambrósia de um deus atónito ou ébrio
por uma rosa
por uma aurora
por segundos
Até onde a tricotar
a vassourar
a estender palavras massa
a guardar a tentação aversão
das curvas sonhadas do rosto
Até onde entre palavras?

por uma balada
uma onça de tabaco
um triciclo abandonado na rua

Por onde carregas o pote Leonor?

Até onde bastará o que basta
um ribombar súbito
um olhar que prolongue
o espasmo até à eterna combustão
do amor dor
Até onde
Até onde perguntas
Até onde
mergulhar
para longe onde a água se confunda
me confunda
Até onde
ruminar solilóquios
preguiçar preguiçar
até onde Leonor e porquê?

domingo, 6 de novembro de 2016

Café Society, o último Allen


Café Society é um filme a reviver intensamente, 80 anos depois, o glamour do cinema Americano dos anos 30. Não faltam as referências ao Wilder do "Crepúsculo dos Deuses" e a Barbara Stanwick. Um tributo de um cineasta que admira os antigos, que admira a escola e a tradição de Hollywood. Mise em scéne perfeita, fotografia luminosa, e uma vedeta com uma beleza oscilante entre a femme fatal e a inocência. Entre a displicência da Kim Novak e a beleza contemplativa da Eddy Lamarr. As referências sucedem-se naquele ritmo frenético que nada tem dos thirty's mas que é Allen ele mesmo,num discurso que quer apanhar em palavras o indecifrável das emoções. Nas tiradas irónicas do self made man encantado e pragmático a quem foge sempre qualquer coisa do essencial a que aspira e sempre pouco à vontade no meio da society de que faz parte, admirando distanciado a sofisticação das roupas e das poses com que o poder vai tecendo os seus simulacros, um jogo que o atrai mais do que algum dia poderia admitir.