terça-feira, 4 de março de 2014


parece, sinto isso, as palavras emigraram, foram todas para um sítio e lá ficaram cortando amarras com o passado. a escrita minha amiga mais constante e duradoura, tece artimanhas de escape, embora a frase com amiga tenha um odor piegas de confissão um aparato de trivialidade, minh'amiga. corresponde a uma certa forma de viver estes 54 anos.escrever todos os dias, escrever o que faço, escrever o que disse, escrever quem amo. não me orgulho nem me desprezo por isso, há uma superfície lisa como um espelho, incólume ao tempo, aí onde cada um é, e volta a ser a todas as horas, esse espaço ou ardor ou labor pesa. não poderia ser de outro modo, as razões só servem explicações,  para quê explicar? cada frase que escrevemos explica-nos mil vezes e apaga-nos. não quero explicar mas fazer uma pausa. restringir para tocar o intervalo onde as recordações são apanhadas como estranhas, seres fugitivos e incaptáveis. hoje dia de carnaval, muitas coisas acontecem ali ao lado nas redes sociais e no mundo também embora quase todas nos sejam invisíveis, acho que nos habituámos mal a pensar que podíamos aceder ao principal, a facilidade adormece e enjoa, agora.

foto Edward Weston

3 comentários:

CCF disse...

Muito bom!
~CC~

I. disse...

Gostei muito ! "cada frase que escrevemos explica-nos mil vezes e apaga-nos. ", e a fotografia é linda

via disse...

Obrigada. Abraço