sexta-feira, 22 de julho de 2016

os blogues, o narcisismo e o amor


Anna Magnani em L'amore de Rossellini. Retrato da submissão a um sentir que, mesmo tendo um contorno definido de alguém, projecta-se sempre dentro de nós como infinito, é em toda a dimensão da sua ausência. O amor vivido alimenta-se dessa convulsão, impossível, entre o finito material da vida e o infinito intemporal do desejo, será dramático, não pode deixar de ser.

Nenhum comentário: