sábado, 26 de janeiro de 2013



Um poema


Um poema varia,

pode ser quase nada

E virar-se do avesso

Ou uma mão cheia de pedras

Atiradas ao pescoço


Refaço a estrofe.

Ao poema resta um minuto de silêncio

Um condoído ai

Na mais discreta sala

A vitrina da demora

Até sair pé ante pé

Pela porta fora


Foto: Nana Sousa Dias

7 comentários:

Magnolia disse...

... ao poema resta um minuto de silêncio
Gostei muito

CCF disse...

Muito belo.
~CC~

cs disse...

tenho um cd dele. Lembrei-me enquanto lia o poema :)
Excelente por sinal

via disse...

cs: um cd de quem?

cs disse...

o naná sousa dias

via disse...

cs: ok.desculpa a curiosidade, pensei que era um cd de alguém a dizer o poema, encontrei este poema no meio de outros meus, lembro-me vagamente de o ter escrito mas não com certeza, daí a curiosidade.Presumo que o cd seja de música e o nana além de grande fotógrafo seja também músico.Obrigada.

cs disse...

:) Um excelente musico Via.
Eu gostei das palavras e adicionei-lhe a música
:)