terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Nataleeeee


Sabine Weiss


Sinceramente, irrita-me o capitalismo, o conceito e a prática, suspeito que esta irritação, muito à flor da pele, não possa ser transformada em força libertadora, não penso iniciar qualquer novo sistema, nem juntar-me a essas poeirentas aldeias onde se vive em comunidade e na paz sem desperdício, a ideia de viver comunitariamente não me agrada nada, não me apetece aquele "nós" dos projectos colectivos. Tenho a certeza que não estou só nesta irritação, muitos dos ocupados na consumação sacrificial dos centros comerciais, rejubilam de ódio contra o capitalismo, parece o eterno odiado pai, amado e odiado mas imprescindível. A ser  modelo deixa-nos abandonados às nossas congeminações, não nos pune por isso, também não nos faz sentir melhores. Enfim, estava pensando nos malefícios tóxicos deste Natal mas agora lembrei-me da história, a história enfraquecida pela repetição:  é preciso encontrar nos nossos corações o amor, ou fingir que o encontramos. Descobri então o meu coração no lugar certo, sei onde está, basta-me. Desejo.o a todos, mantenham o coração em algum lugar fora do peito.

Bom Natal!!!

4 comentários:

S disse...

Este ano que estou longe de tudo isso, confirmo que de facto é bom poder não pensar em prendas e 'culpas' de consumismo!
Que esse coração se mantenha então no lugar certo!
Umas boas festas sejam elas como forem!

Ana P disse...

Fora do peito é um bom lugar...

via disse...

S: estar num lugar longe tem vantagens, cria-nos uma distância observadora e confortável, enjoy e um excelente ano de 2015!

Ana P: lembra-me a canção "como dizer um coração fora do peito, meu amor acordou e eu sem navio. gostar de ti é um poema que não digo, que não há taça... foi o carlos do carmo que o cantou num festival, há estas verdades que só a poesia, só a poesia... bom ano!

cs disse...

Bom ano.
(Apaguei o seu último comentário por lapso, desculpe)