quinta-feira, 23 de abril de 2009

Preciso de lançar palavras, pensar e dizer, amassá-las nas palmas das mãos, desensombrá-las, salivá-las. Reconstruir casa jardim e quarto com seus abat-jours imaginários mais o espaço circundante, a estrada, o frágil sentimento, a atmosfera do corpo, a rede onde baloiço, o piano onde toco se fosse capaz de compor e os dedos que cegos serão guiados sem palavras. Volto à noite, só, à noite e o eco das palavras enreda cidades e fortificações, sempre entre uma coisa e outra, o desejo, submersão em água pura empurra a arquitectura com que vamos tecendo o medo, de novo em fuga com o rasto das palavras que deixamos. Sou só eu, e o escuro da noite, a memória é um deus cansado e doce de unhas cortadas ao sabugo e qualquer uma , qualquer uma das palavras com que do éter me vou entendendo, é um palácio antigo onde se derrama o mel.

4 comentários:

g disse...

Gostei deste amasso com sabor a mel, ainda que pelo meio vaguei o medo e a fuga.

Ana Paula disse...

Mas que belo! :)))

Belas e impressivas, são as palavras que lanças...

Um beijinho

as velas ardem ate ao fim disse...

Feliz dia da Liberdade!

via disse...

g: Não há bela sem senão é caso para dizer, obrigada pelo comentário!

Ana Paula: Ainda bem que gostaste! Bjo

As velas ardem até ao fim: Foi feliz, sim, obrigada! Para ti também, que a liberdade se invente todos os dias!