quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

paixão

O funâmbulo Philippe Petit, vindo de uma recôndita aldeia de França, chegou a Nova Iorque e estendeu um cabo sobre as torres gémeas, a 500m de altura, corria o ano de 1974, havia nevoeiro. Da experiência uma frase: "Era como fazer amor com o vento!". As torres estavam ainda em construção e os terroristas islâmicos não existiam, existia só o nevoeiro, a loucura ou a paixão de um rapaz francês. Não era a mesma loucura ou paixão que fez uma série de rapazes despenharem-se contra estes gigantes de betão e destruírem milhares de sonhos. E, no entanto, podemos falar de loucura e paixão nos dois momentos, sinal que nada de bom ou mau ela nos traz por si mas só quando fala para nos inspirar, quando faz voar o que de mais belo existe, um desafio ao possível misturando-se no coração ardente do nevoeiro frio. Frágil recorte sem razão. Só do amor ou a bravura para a memória reter.

6 comentários:

ss disse...

Não sei se é paixão, mas volta e meia ando pelos ares, seja pára-quedas ou asa delta, a sensação de voar é única e a liberdade que sentimos é vivida ao máximo.

jp disse...

Nada de belo se faz sem paixão.

Quanto às Torres Gémeas, muita coisa estará ainda por contar. Parece-me a mim, que desconfio sempre de relatos oficiais,manias...bjocas

JPD disse...

Percorrer este percurso; ir até ao cume do Evarest; rodar no Paris-Dakar antes do GPS, são feitos extraordinários.
Eis o Homem a exceder os seus limites.

Também aprovo a tua distinção entre este francês e a loucura assassina daqueles que lançaram os aviões contra as Torres.

Sim, paixão, sobretudo, tenacidade.

Bjs, Via

R. disse...

Seja qual for o objecto da paixão, é sempre uma força galvanizante e de elevada intensidade... Nisto, de facto, não há meios-termos.

gataparva disse...

Linda imagem essa de fazer amor com o vento, com a força dos elementos. Fantástico.

via disse...

ss: sorte a tua, para mim é a máxima audácia, tenho pavor às alturas, enjoy it!

jp: verdade, mas também de horrendo, temos de dividir as apoteoses e as conclusões. eu não sei mas inclino-me para a tese dos terroristas.não há fumo sem fogo! bjos

JPD Tenacidade, ora aqui está uma bela palavra, uma palavra que seja qual for o resultado prende a atenção!Bjos JPD

R:bem, então acabas por concordar com a tese anterior na qual sentiste faltas das nuances. percebo-te. equilíbrio. é disso que se fala.

gataparva: também me inspirou a imagem, sobretudo porque tem um arrojo e simplicidade.