domingo, 7 de novembro de 2010

filme



El Ultimo Verano de la Boyita é um filme argentino de Júlia Solomonoff. Mais um filme argentino para me fazer suspirar, A Argentina, ai, ai, um dia hei-de lá ir, já estou quase convencida por não parar de o repetir, então da Argentina lembro-me das pampas, os terrenos férteis de grandes dimensões, clima ameno e aquela língua carinhosa (a pronúncia argentina é mais suave que a castelhana) que nos envolve em segredos e sussurros. este é um filme sobre os segredos da sexualidade e a curiosidade que eles despertam no esboço ainda pouco distinto da puberdade. O que é ser homem? O que é ser mulher? Que papel tem a biologia nessa definição, que papel tem a cultura e a psicologia? Resumindo: como sou, como os outros me vêem e como me vejo ou sinto. As variações possíveis neste trinómio são muitas: sou rapariga, vêem-me como rapaz, sinto-me...confuso/a? Sou rapariga, vêem-me como rapariga, sinto-me rapaz. Sou rapaz, Vêem-me como rapariga, sinto-me...etc. Tal é o dilema de Marquito (estes diminutivos são mesmo calorosos) depois disto a ameaça e a violência, que são o prato costumeiro de reacção à diferença e, a ciência, que pode apaziguar e esclarecer mas não resolve. A ver.

7 comentários:

ss disse...

Mais uma vez, vou seguir o conselho.
:)

joana padrel disse...

Ser ou não ser . Se todos soubéssemos como somos diferentes uns dos outros não havia lugar para a violência. Tema fascinante , a(s) identidade(s) e a imagem muito apelativa. Vou ver.

JPD disse...

Do filme e do teu relato guardo a tua sugestão.

Da Argentina, que também não visitei, não ouvi um único relato depreciativo, tanto de Buenos Aires quanto do resto do país.
A cultura é vincada.
O mito de Jorge Luis Borges esmagador como o do Tango (Astor Piazzolla).
Bjs, Via

via disse...

ss: fazes bem, não te vais desiludir.

joana padrel: estamos a aprender, muito lentamente, e o tema está aí, não há como evitar. depois me dizes.

JPD: esses dois o tango e o borges, mais a língua, a paisagem e uma efervescência melancólica, está lá, no filme.bjos

R. disse...

...E a não perder. Ora aqui está uma excelente dica. A lembrar! E por falar em pronúncia, como diria Fito Paez 'las luces siempre enciendem en el alma' :)

Bom fim-de-semana!

via disse...

R: lembro essa canção, o caetano canta-a num filme do Almodovar, é essa não é?

ss disse...

Ontem consegui finalmente vê-lo. Ando fascinada com a quantidade de coisas boas que se fazem pela Argentina. Decididamente, um filme a ver!
:)