sexta-feira, 22 de julho de 2011



foi a árvore, encontrou-me confusa. desviou até meus calcanhares de Medusa seus longos cílios de vento e entardecer, espalhou ao susto e à eternidade a reflexão. comoveu-me. ainda. já a tarde era branca e não havia sombra.

7 comentários:

ss disse...

que bonito, via.
:)

R. disse...

...e da interpelação surgiu a clarividência.

Prof_helena disse...

" E o resto é silêncio" W, S.

via disse...

ss: Obrigada.

R: nem por isso.

prof helena: que seja.

Prof_helena disse...

Silêncio, pleno, mágico e luminoso.
De todos os silêncios, o Único, tão singular como o riso, tão grato como Amizade.
Um silêncio que se exerce, dizendo-se.
Este é o meu.

Rui disse...

quando as árvores entram em casa para nos fazer cócegas.

via disse...

prof helena: estes substantivos engrandecidos de maiúsculas quase nos fazem esquecer as minusculas. bjo

rui:boa!felizes os que as têm assim à mão.