domingo, 24 de maio de 2009

-60º

no expresso um artigo sobre as virtualidades da net: uma médica na Antárctida, Pólo Sul, está seis meses em isolamento total, seis meses com noite e temperaturas de -60º. com ela estão 42 pessoas incluindo o namorado. ninguém se poderá aproximar naqueles seis meses daquelas 42 pessoas perdidas na escuridão. brrr e que diríamos nós de uma alemã de 40 anos que foi encontrada morta seis meses depois de ter morrido, no seu apartamento da cidade, em frente à televisão? seis meses, seis meses, qual delas está mais isolada? consiste este isolamento na esporádica presença humana ou na excessiva presença humana? na escassez ou na indiferença? é a segunda que me arrepia, mesmo que a temperatura no seu apartamento não seja de -60º o cheiro que dele emana é talvez mais paralisante.

5 comentários:

g disse...

Bem observado, há muito mais isolamento nos nossos prédios cheios de gente.

via disse...

g: é preciso contrariar a tendência, por aqui passam-se semanas sem dar de caras com um vizinho! Boa semana!

Ana Paula disse...

Muito bem visto, Via!

Há factos terríveis. E temo que ainda mais terríveis se aproximem... :(

Rui disse...

É, talvez, nos pólos interiores que a solidão é mais solidão.

via disse...

Ana paula: ontem foi dia dos vizinhos! há consciência desse afastamento, espero que tomemos uma atitude e que algo mude pra melhor.

Rui: mas se o exterior puder ser mais animador talvez o interior se anime também, um pouco, nada de euforias!!