terça-feira, 9 de março de 2010

o cão


estava na loja de animais, era pequeno, cachorro, olhou para mim com uns olhinhos de tristeza, foi um segundo de empatia total, corri para dentro da loja para o levar, é que emoções assim não acontecem todos os dias. alguém me puxou pelo casaco, ouve, disse, queres um cão? adopta um desses abandonados, mas eu não queria um cão, queria aquele castanhinho sentado sobre as patas traseiras a pedir para o levarem. a seguir, com o cão ao colo, lembrei-me do apartamento pequeno demais para um Labrador, do bicho aprisionado entre o sofá e a cama e voltei a pô-lo no lugar. a custo. um dia voltarei para te buscar, prometo. entretanto talvez tenhas razão, talvez se arranje por aí um franganote abandonado, de olhos tristes, que me parta o coração.

7 comentários:

R. disse...

Ambas, acções muito nobres :)

Cassandra disse...

Tantos por aí, tão sozinhos. Se os recolheres não te destruirão a mobília. Se o levares da loja, vão ser um mimadão eterno e nem os rodapés de aguentam. Queres experimentar um? Durante uma semana, eheheh?

JPD disse...

Fizeste bem.
Sem condições mais vale não sacrificar animal.

Um pouco de razão sobre a emoção, vale ouro.

Saudações

Rui disse...

por vezes, sabe bem ter quem nos leve a passear sem critério aparente

Magnolia disse...

Ou um gato...cabem melhor no nosso colo....
Bj

via disse...

R: é bom quando nobreza e coração andam juntos.

cassandra:nops, miga. és capaz de ter razão mas havias de ver o cachorro, era muito parecido com o da foto, bem...irresistível.

JPD: era mesmo, labrador em apartamento não é boa opção. valeu-me isso (bem o preço também conta para nos pôr na razão)sadações para ti.

Rui:levarmo-nos mutuamente, ajusta-se que nem uma luva.

orquídea: agora, estou mais vocacionada para cães o que não quer dizer que não possa mudar.Bjo

Ana Paula Sena disse...

São tão queridos! Eu entendo-te, no outro dia, dei por mim com uma ideia semelhante. Mas, não dá :((